25
    abr
    2017
    0

    Ainda existe amor?

    Repare bem, as coisas estão todas fora de lugar, as pessoas não têm mais vontade nenhuma em amar, a vontade de hoje em dia é encontrar alguém que possa suprir todas suas necessidades, as pessoas perderam todo valor, hoje elas têm preço (que por sinal, é bem caro).
    Não fiquei escrevendo rascunhos desses texto, nem reli, ou fiquei pensando para escrevê-lo, simplesmente escrevi com uma caneta preta, daquelas que marca, da mesma maneira que as pessoas passam em nossas vidas, e fazem sentirmos completos.
    Hoje estive pensando em como temos nos tornado seres humanos tão volúveis, tão fúteis e capazes de nos entregar por tão pouco, e me pergunto a todo instante “será que vale a pena?”, queria que todas as pessoas vissem o quanto podemos nos tornar pessoas melhores ao lado de pessoas que realmente nos fazem bem, pessoas que nos fazem bem pelo simples fato de existirem, não em função do que elas têm, ou o status que elas nos fornecem…
    Hoje em dia, o amor acabou, e tudo que era considerado amor, se tornou banal demais, tudo não passa de sentimentos passados, sentimentos que nos tornam mais fracos, desprezíveis e menos amáveis.
    Me perdi em tanta palavra, tanta promessa, hoje venho vivendo um dia de cada vez, me refazendo só de verdade, deixando toda mentira de lado.
    É, estou vivendo, de amor (próprio).

    19
    fev
    2016
    0

    Banalizaram o amor

    Veja como as pessoas são, repare bem, não na beleza e nem nas roupas delas, repare bem no que elas sentem, no que elas vêem, no que elas querem, talvez seja a maneira mais fácil de compreendê-las. Tantos olhares se perdem em meio a tanta ingratidão, tanta saudade, tanta vontade, tanta frieza, tantos “e se…” e se esquecem que o agora é feito para isso, para ser vivido, como se fosse a última vez.

    E talvez as pessoas estejam se oprimindo tanto em relação a reparar, a sentir e amar, que seja mais fácil se manter estável, guardando tudo o que quer para si. Estamos perdendo o tempo de ser felizes por um único motivo, preguiça. Sim, preguiça. Preguiça de felicidade, de se permitir, permitir ser feliz, ser de alguém, ou melhor ter alguém com que se possa compartilhar tudo o que se faz, o que se sente, se vive e o que se quer fazer.

    E não existe coisa mais fútil do que ouvir dos outros de que não há companheiro mais fiel que um cachorro, sim, um cachorro é fiel, companheiro, mas ninguém é infiel porque não quer, só é infiel quem quer, fidelidade é nada mais nada menos que uma das maiores virtudes dos seres humanos. Sim, a carne pode ser fraca, mas eu te pergunto, será que vale o risco de se perder um grande amor por uma aventura qualquer?

    Aquele papo banal de que nenhum homem presta é o maior papo furado, se homem não presta, mulher também não presta, não se deve generalizar as pessoas por problemas passados, e aliás, nenhuma mulher namorou com todos para ter essa grande certeza, ou seja, enquanto houver uma pessoa na terra, você ainda terá chance de amar, de errar, e de com certeza ser feliz…

    16
    fev
    2016
    2

    Não falta amor

    Vive-se em um mundo padrão, de sonhos padrões, vontades padrões, sentimentos padrões, onde todos os relacionamentos são melhores que o próprio, onde as outras pessoas são muito mais felizes que si próprias, onde as pessoas se cansam das outras, ou onde as pessoas se queixam facilmente da felicidade, mesmo sabendo-se que se vive bem.

    Tenha um dia ruim para perceber que qualquer dia comum fostes bom, bastará uma gota de chuva no inverno para perceber que desperdiçou o sol do verão, e mesmo assim, continuarás a reclamar, pois já é da natureza humana achar que nada está bom.

    As pessoas talvez tenham deixado passar o começo de tudo, estão se alienando a pequenas coisas que não tem a menor importância, estão deixando de cuidar, cultivar e criar um amor que já não são feitos nos dias atuais. Estão perdendo a vontade de amar, de querer amar, de querer distribuir amor. E o que falta não é amor, é vontade de amar…

    Há um encontro infinito entre céu e mar, deve ser lá onde toda maldade se vai, onde todo bem se atrai, onde todo mundo que se perde, se encontra. Onde eu me deixo levar, me deixo falar, pensar, agir e (a)mar.